Archive for the ‘São Paulo’ Category

Deu Inter!

Fim de jogo. O representante brasileiro na final da Libertadores é o Internacional. Na soma dos 2 jogos, mais que merecido. O São Paulo cai na semi muito por causa da covardia no jogo da semana passada em Porto Alegre. Bom, no geral, foi um boa partida no Morumbi, com o tricolor fazendo o que precisava, que era atacar. Já o colorado deu uma aula de como se joga fora de casa. Provou que é possível sim fazer uma marcação forte sem ser necessariamente defensivo.

– Como eu havia dito no post anterior, o São Paulo se utilizou bastante do lado esquerdo pra atacar, mas foi muito bem marcado pelo Inter. Pelo meio estava completamente congestionado, não sendo possível nenhuma jogada mais aguda. Na direita, com o Jean fora de posição, não dava pra ter lances de linha de fundo. Agora pergunto: será que a presença do Cicinho, mesmo em má fase, teria feito alguma diferença? Pois é, eu também acho que sim! Mas o JJ não quis…

– A partida que o São Paulo fez hoje serviu pra que eu tivesse uma certeza. Não é só Ricardo Gomes o problema. Sim, ele é fraco, mas a fase ruim tem o dedo dos jogadores. Digo isso porque não acho outra explicação plausível para a equipe fazer uma partida nojenta numa semana e na outra jogar como deveria jogar sempre. É impossível o treinador ter tanta influência dentro de um time pra mudar a postura de jogo pra jogo. E para os iludidos, não foi a torcida que fez o time dar carrinho, sujar o uniforme e lutar pelo resultado.

– Ricardo Gomes entrou com o time que ameaçava entrar e queimou minha língua. Foi bem e fez exatamente o que mandava o figurino conforme o tempo foi passando. Hoje não teve culpa em nada, mas talvez a derrota de quarta passada, que foi crucial, tenha tido seu dedo. Felizmente, amanhã deve deixar o São Paulo. Em um ano no clube, não conseguiu dar padrão de jogo e nem colocar pilha nos atletas. Segundo informações, há grandes chances de Sérgio Soares assumir o comando.  

– Tinga é um jogador excelente, mas deve ter perdido algum parafuso quando era menor. Pela segunda vez deixou o time do Inter na mão unicamente por falta de inteligência. Em 2006, foi expulso ao tirar a camisa comemorando um gol em plena final e isso quase custou o título. Hoje levou o vermelho após uma falta, mas o primeiro amarelo que recebeu foi por tentar retardar um tiro de meta de Rogério Ceni. Alguém precisa avisar a este cidadão que jogar com a menos nem sempre tem final feliz.

– Pela primeira vez desde que assumiu o gol tricolor eu vi Rogério Ceni chorando. Acredito que não foi somente pela tristeza da eliminação, mas sim porque ele não deve ter outra chance de levantar o caneco tão desejado pelos são paulinos. Pelo andar da carruagem, dificilmente o tricolor conquistará a vaga pra Libertadores do ano que vem e depois disso Rogério já deve estar muito próximo de pendurar as luvas.

– Chegou a hora da renovação no São Paulo. Hernanes, Richarlyson, Miranda, Dagoberto, Jorge Wagner, Jean e alguns outros deveriam ser negociados ou dispensados. Prestaram bons serviçõs, mas a renovação é sempre necessária e enquanto não houver uma limpeza, o time continuará com uma motivação menor do que deveria. Se eu fosse o presidente, faria a limpa agora, colocaria vários garotos da base pra jogar e ia montando até dezembro o time pra 2011, pra tentar algo diferente.

– À torcida do São Paulo, deixo meus parabéns. Mesmo com o futebol que vinha sendo apresentado e com o frio de rachar da capital paulista, colocou mais de 57 mil torcedores no Morumbi e não deixou de apoiar um minuto, mostrando porque é diferenciada quando se trata de Libertadores.

Ao Inter, muita sorte no fim dessa caminhada. E que ganhe a Libertadores, pra não ter um eventual título mundial contestado por ter sido vice da América.

Siga-me no twitter: www.twitter.com/blogdobuja

Abraço!

Como jogará o São Paulo?

Na noite de hoje, no estádio do Morumbi, não resta outra alternativa ao São Paulo que não seja a vitória, de preferência por 2 gols de diferença, pois 1×0 dá penaltis e qualquer outro placar só serve ao Inter. Ricardo Gomes faz mistério para anunciar quem e como jogará o time. São diversas possiblidades que só serão desvendadas momentos antes do apito inicial.

O técnico são paulino sinalizou com os treinos dessa semana que mandará a campo um 4-4-2 com menos velocidade e mais toque de bola, com Cléber Santana no lugar do contundido Richarlyson e Ricardo Oliveira na vaga de Marlos. Dessa forma, a equipe jogaria da forma tradicional, com 2 volantes e 2 meias, com o recuo de Fernandão. Porém o que me preocupa nesse esquema é a fragilidade defensiva do São Paulo jogando com 2 zagueiros e um lateral bastante ofensivo. Seria uma formação interessante, não fosse a necessidade da vitória sem ‘poder’ sofrer gols. Até porque tenho certeza que o Inter não fará a mesma retranca que enfrentou na semana passada, visto que um gol colorado praticamente decide o confronto.

Se eu fosse o técnico, armaria de forma diferente. A começar pelo esquema, que seria o 3-5-2. Apesar do maior número de zagueiros, não tem relação com a ofensividade do time. Bom, na zaga sairia jogando Alex Silva, Miranda e Xandão na sobra. Do lado esquerdo, Junior César com toda liberdade pra avançar. Já na lateral direita, Jean seria mantido mais recuado, apesar da péssima fase. Hernanes e Rodrigo Souto comporiam a dupla de volantes, enquanto um Fernandão mais recuado seria o responsável pela armação das jogadas. Na frente, Ricardo Oliveira e Dagoberto.

 Depois da escalação, há uma explicação. Não podendo tomar gols, é fundamental que se tenha uma solidez defensiva com jogadores que são da posição, sem improvisações. Na maioria das vezes que o São Paulo jogou assim com esses 3, o adversário não mexeu no placar. Com a ajuda de Jean pela direita, Rodrigo Souto sendo o primeiro volante marcador e Hernanes dando combate, o Inter já vai encontrar certa dificuldade pra chegar na cara do gol. Problema lá atrás solucionado, é hora de pensar em fazer os gols. Acredito que a grande chance será com as subidas de Junior César, pois assim o tricolor tem a opção dos cruzamentos e das jogadas trabalhadas por aquele setor, com Hernanes fazendo às vezes de meia quando a equipe tiver com a bola, além de um Dagoberto jogando mais aberto pela esquerda. Isso porque do lado direito Jean pouco avança e também não tem jogadores no setor que o ajudem. Porém, a chance de Celso Roth estar preparado pra isso é grande e caso não esteja dando certo, eu tiraria o Jean (independente de tempo de jogo) e colocaria o Marlos pelo lado direito, pegando o lado oposto da marcação Colorada. Nesse caso Hernanes teria que segurar um pouco mais suas subidas, pois a marcação ficaria vulnerável sem lateral marcador. E, apesar de ser contra apenas esse tipo de jogada, mais do que nunca as bolas paradas vão ser fundamentais pra tentar achar um gol.

Quanto ao que se cogita de entrar com 3 atacantes, acho muito improvável e desnecessário. A princípio, 1 gol leva a disputa pros penaltis, por isso não há motivos para desespero. Antes de querer partir pra cima do adversário, o São Paulo precisa começar a jogar melhor. Caso o jogo volte pro segundo tempo e a situação continuar como começou ou o Inter marcar um gol, aí sim é de se pensar em colocar um terceiro atacante, porque seriam necessários 2 ou 3 gols. Enfim, o São Paulo só passa do Inter se mudar a postura que teve no último jogo e buscar o resultado. Ficar tocando de lado chamando o adversário será fatal, já que do outro lado não tem jogador bobo. Espero sinceramente que o tricolor avance, mas na atual situação, além de melhorar o futebol, terá que contar com a ajuda da sorte também.

Siga-me no twitter: www.twitter.com/blogdobuja

Abraço

Nojento!

No Beira Rio, o Inter venceu o São Paulo por 1×0, resultado que manteve ambos na disputa. A decisão ficou para a próxima quinta feira, quando as equipes se enfrentam no Morumbi. Se não fosse pela postura apática do time paulista, que preocupa para a semana que vem, eu diria que o placar teria sido de bom tamanho. Já pelos lados colorados, em termos de vantagem, foi razoável. Se analisarmos de acordo com a partida, foi péssimo, pois poderia ter feito muito mais.

Resultado a parte, o que o São Paulo apresentou em Porto Alegre hoje foi o lixo do futebol. Atitude covarde, de time pequeno, completamente apático. Como resumiu Hernanes no intervalo, o tricolor chegou com uma ‘postura humilde’. Postura humilde com uma camisa com este peso? Que nada. Isso pra mim é covardia! Nenhuma equipe grande tem o direito de jogar dessa forma. E antes que os são paulinos venham cornetar, vou explicar detalhadamente uma coisa que eu sei que todos vocês estão sentindo.

No futebol, existem duas situações após uma derrota. O torcedor pode ficar triste ou pode ficar revoltado. O primeiro caso ocorre geralmente quando o time luta, insiste, marca, ataca e tem postura de quem quer vencer, mas o adversário acaba vencendo por detalhes. Faz parte do futebol. Já a segunda hipótese vem acompanhada de uma partida em que uma das agremiações opta por abdicar do jogo e apenas se defender, mesmo sendo grande. Assim, o adversário ataca, pressiona e vence a partida. Pode ser de 1×0 ou de 10×0. A sensação de impotência e de raiva terá as mesmas proporções. Duvida? Vou mostrar a diferença? São paulino, me responda uma pergunta. Em 2006, quando seu time perdeu a final da Libertadores pro Inter brigando até o último minuto, você se sentiu triste e orgulhoso ou revoltado e envergonhado? A resposta eu acho que foi dada por grande parte da torcida, que compareceu em peso no aeroporto pra aplaudir os jogadores derrotados. E no ano passado, sendo eliminado em casa pelo Cruzeiro dando 2 chutes ao gol nos 90 minutos precisando vencer a partida? Pois é…

 Acredito que tá na hora do torcedor do São Paulo parar de querer ficar um degrau acima dos demais e abrir o olho. O time tá piorando a cada dia que passa e em parte isso é reflexo de uma torcida acomodada que não cobra, não pressiona e acha que perder de 1×0 lá jogando essa bolinha tá ótimo. Não, não tá. Ou vocês vão esperar passar mais uma chance de conquistar a Libertadores pra reclamar a troca de técnico e começar tudo de novo? O São Paulo poderia ter saido pro jogo, marcado o Inter no seu campo de defesa e tentado achar um gol. Em 2006, uma das melhores partidas da minha vida, pois ambos buscaram o gol e não ficaram postados tentando evitá-los.

Apesar do futebol jogado, o tricolor tá mais vivo do que nunca e basta uma vitória por 2 gols de diferença pra se classificar direto. Em caso de repetição do placar, penaltis. E que o time tenha uma postura digna de sua camisa no próximo confronto, porque jogando covardemente, vai ver o Inter bailar no Morumbi.

Do outro lado estava o Inter, que merece os parabéns por buscar o gol incessantemente durante quase todo o jogo. Marcou sob pressão e evitou dar espaços pro contra ataque adversário. Bobeou em não ter marcado mais, pois teve chances para tal. Enfim, vem pra capital paulista na semana que vem pra acertar uma bola, já que eu não acredito que o São Paulo marque 3 gols caso tome 1.

Siga-me no twitter: www.twitter.com/blogdobuja

Abraço!

Arrogância F.C.

Pelo título do post, a maioria de vocês já deve imaginar sobre quem estou querendo falar. Sim, foi fácil acertar, até porque não há diretoria mais arrogante no futebol brasileiro do que a são paulina. Para os torcedores do clube, talvez essa afirmação soe como injusta, mas o o que vem ocorrendo ultimamente pelos lados do Morumbi comprovam o que vou falar.

Nos últimos 4 anos, com a eleição de Juvenal Juvêncio para a presidência do clube, o São Paulo passou a ser um dos clubes mais odiados do país. Não por fatores de dentro do campo como a grande quantidade de títulos recentes, mas sim pela postura da alta cúpula. Quantas vezes não vimos problemas internos entre os jogadores e, de repente, aparece alguém da diretoria pra dizer que lá não existe crise, que é tudo invenção da mídia. Concordo que a imprensa sempre coloca uma vírgula a mais, mas todo boato tem um fundo de verdade. É simplesmente impossível, dentro de qualquer clube e até mesmo de empresas, todo mundo gostar de todo mundo. São mais de 30/40 homens trabalhando junto diariamente. Sempre há intrigas, inveja, ressentimento e muitos outros fatores que causam problemas. Mas no São Paulo não. Se existe o paraíso na terra, ele se localiza no CT da Barra Funda.

Também é de se estranhar a relação com o resto do meio futebolístico. Segundo informações veículadas na imprensa nos últimos anos, existem problemas de relacionamento com Corinthians, Palmeiras, Santos, Goiás, Atlético-PR, Flamengo, FPF, CBF e muitos outros. Agora pergunto, será que somente o São Paulo tem razão ou alguma coisa anda errada? É claro que todos tem sua parcela de culpa, mas quando o problema está generalizado, é preciso olhar pro próprio umbigo também.

Outro exemplo muito claro da postura daqueles que comandam o tricolor paulista foi o caso do Morumbi-2014. Desde que o Brasil foi confirmado como sede do Mundial daqui a 4 anos, o objetivo de Juvenal passou a ser fazer do estádio Cícero Pompeu de Toledo um dos campos escolhidos e, se possível, fazer a abertura da Copa. Até aí tudo ótimo, afinal, caso o feito fosse obtido, seria um avanço enorme para o clube. Projeto ambicioso, contando com apoio de diversas autoridades e pompas pra todo lado. Mas Juvenal só se esqueceu que pra ser escolhido como sede, precisaria do aval da CBF e da FIFA. E, mesmo assim, preferiu bater no peito e garantir que o Morumbi estaria no torneio. Hoje, com a confirmação da exclusão do estádio como candidato da maior cidade do país, o presidente ficou a ver navios.  Acredito que de qualquer forma, dificilmente o Morumbi seria escolhido, mas Juvenal poderia ter passado sem essa. Atitude louvável de brigar pelo direito de ser sede, mas lamentável querer passar por cima de quem manda mais.

Esta semana, dois casos colocaram os manda-chuvas tricolores no alvo novamente: a antecipação da janela de transferências, ‘prejudicando’ o São Paulo, e a lambança da demissão não concretizada de Ricardo Gomes. Quanto ao primeiro caso, já fiz um post sobre o tema, mas falo novamente. Não adianta ir na televisão reclamar que existe um complô contra o clube, pois sabemos que não vai mudar nada. A briga política é clara pra quem quiser ver, mas se fazer de vítima nessa situação está longe de ser a solução ideal pro caso. Ao invés de fazer barulho, deveria ir atrás de alguma contratação de impacto pra tirar proveito dessa situação*.

Quanto à demissão de Ricardo Gomes, não resta dúvidas que o caso tem se tornado motivo de chacota para os rivais. De acordo com o bem informado Marcello Lima, na tarde de ontem Ricardo Gomes foi demitido, mas o anúncio oficial só sairia após algumas horas, provavelmente quando o novo técnico estivesse acertado. Eis que surge Leco, vice presidente da equipe, e diz que Ricardo não foi demitido, mas que também não garantiria sua permanência por muito tempo. Em seguida, o diretor João Paulo de Jesus Lopes afirma que Gomes está prestigiadíssimo e será o comandante contra o Santos e o Inter, mesmo que haja uma derrota por 10×0 no domingo. Um pouco mais tarde, Flávio Prado chega com a notícia que Dunga havia acertado com o tricolor para comandar a equipe. Estranho…

São muitas informações desencontradas, mas Marcello Lima garante que houve sim a reunião e ficou decidido pela demissão. Porém, talvez pelo vazamento da notícia, a diretoria tricolor não quis oficializar o pé na bunda, alegando que o trabalho vem sendo bem feito e que no São Paulo não se demite técnico por 2 ou 3 jogos. Claro, havia me esquecido que eles são diferenciados. Toda a torcida e a imprensa estão erradas em criticar o péssimo trabalho de Ricardo Gomes. Afinal, ele tem o perfil pra trabalhar no Morumbi, pois é um cara inteligente, que fala francês e é extremamente educado. Agora me expliquem, caros leitores, que raio de perfil é esse que eles exigem? Pra mim, no futebol, o perfil de qualquer um que seja contratado pelo clube deve ser relacionado ao que a pessoa fez na carreira em termos de títulos e competitividade e não em educação. E Ricardo Gomes, ao que me consta, não pode ser considerado um cara vencedor após se tornar técnico. Em cerca de 13 anos de profissão, são apenas 2 títulos se eu não me engano, nenhum de grande expressão. Mas o orgulho, quem sabe, pode custar mais um título ao tricolor. Porque pra não ser igual aos outros, é melhor esperar ser eliminado para tomar atitudes. É uma pena.

Talvez esse post seja o campeão de xingamentos e críticas por parte dos são paulinos, que muitas vezes seguem a conduta da diretoria e não conseguem assumir os problemas. Por isso, antes que comecem dizendo que é dor de cotovelo da minha parte, gostaria de deixar claro que sou são paulino como vocês, mas vejo o que muitos fingem não enxergar.  

*Segundo o Lance!, o São Paulo pode anunciar a qualquer momento Ricardo Oliveira.

Siga-me no twitter: www.twitter.com/blogdobuja

Abraço

Assim não, Tricolor!

Tricolores, já podem começar a se preocupar. Faltando 2 semanas pro confronto mais importante do ano contra o Inter pela Libertadores, o São Paulo deu vexame e perdeu pro Avaí por 2×1 no Morumbi. Na minha opinião, um time que passou cerca de 40 dias apenas treinando, sem perder jogadores (apenas Cicinho se foi) e com a mesma comissão técnica, não pode apresentar o que vimos na noite de quarta feira.

Quem assistiu o jogo pode ver uma equipe apática, sem jogadas treinadas e com uma superioridade que durou apenas durante os 15 minutos iniciais. O São Paulo foi um time sem padrão, que enfrentou muitas dificuldades para penetrar a defesa adversária, mas que também contou com um pouquinho do dedo da besteira que Ricardo Gomes fez. Explico: o ponto forte da equipe nesse ano até então era a defesa. Forte, sólida e com dois jogadores de rara classe, como Miranda (jogando pela esquerda) e Alex Silva (pelo lado direito), a zaga passava muita confiança, principalmente depois que voltou a ter 3 homens no setor.  Ótimo, não fosse a teimosia em TER que colocar o Richarlyson pra jogar. Para o camisa 20 ter sua vaga em campo, o técnico tricolor inverteu Miranda de lado e colocou Alex na sobra, deixando Richarlyson do lado esquerdo da zaga. Em resumo, o time apareceu com 2 zagueiros em posições diferentes das que eles mais se destacam para IMPROVISAR outro atleta no setor. Claramente o esquema não encaixou, tanto que tomou 2 gols. Eu juro que gostaria de entender o motivo de não se fazer o básico. Alex na direita, Miranda na esquerda e o ótimo Xandão na sobra, visto que jogou muito bem todas as vezes que foi aproveitado. Se eu pudesse dar um conselho pro Xandão, diria para que vá embora buscar seu espaço, pois tem bola pra jogar em qualquer time do Brasil. Afinal, ficar no banco e ter que ver Richarlyson jogar não deve ser tarefa das mais fáceis.

Que essa derrota sirva de alerta, porque o Inter voltou babando, como vimos no Brinco de Ouro, onde ganhou por 3×1 do Guarani. Ainda dá tempo de se recuperar, basta fazer o feijão com arroz e recuperar a vontade que fez a diferença na Libertadores contra o Cruzeiro. As duas equipes se equiparam, com leve vantagem pro tricolor paulista. Mas isso tudo fica fora das 4 linhas quando o jogo é decisivo. Abre o olho tricolor, pra que sua torcida possa voltar a sonhar em conquistar a América.

Siga-me no twitter: www.twitter.com/blogdobuja

Abraço!

“Quem precisa de São Paulo é a Copa!” Ugo Giogertti

Tava acompanhando as colunas do jornal Estado de São Paulo de domingo (20/06/2010) e me deparei com esta excelente do Ugo Giogertti, a respeito da Copa do Mundo de 2014 em São Paulo. Bom, vou transcrevê-la a seguir. É sem dúvida umas das opiniões mais sensatas que eu ouvi desde que o Morumbi foi excluído como estádio para  o Mundial.

“Haverá Copa do Mundo em São Paulo em 2014, estejam certos. E com a abertura aqui mesmo na nossa bela capital. Tive a confirmação disso nesta semana quando a Fifa descredenciou o Morumbi para a Copa. Acrescente-se a isso a declaração de autoridades de que não haverá dinheiro público algum para construção e reforma de estádios, o que solidificou ainda mais minha certeza que haverá Copa em São Paulo. Quando a CBF, a Fifa e os políticos dizem uma coisa deve-se ter o cuidado de ler exatamente o contrário. Portanto os desmentidos desta semana só me convenceram de que haverá Copa em São Paulo.
Claro que a cidade não precisa dela. São Paulo precisa de educação, saúde pública, transporte, e, em termos de futebol, do Corinthians, do São Paulo, do Palmeiras, do Santos, da Portuguesa, etc. Quem, ao contrário, precisa de São Paulo é a Copa. Isto é, os que realizam a Copa, os que são responsáveis por ela e, bem entendido, todos seus associados e protegidos. Porque é aqui que está o dinheiro, a grana. É concebível que os organizadores da Copa, sabendo quem são e o que fazem, virem as costas justamente para o lugar onde o dinheiro está? Entra na cabeça de alguém? O descredenciamento do Morumbi foi um aviso, que interpretei da seguinte maneira: “Pessoal, não me venham com estádios antigos, que para serem colocados em ordem demandem pouco dinheiro, comparativamente. Apresentem, por favor, projetos de novas “arenas”, empreendimentos que demandarão montes de dinheiro para serem construídos, somas enormes, porque é disso que se trata. Grandes quantidades de dinheiro. É sobre isso que estamos falando, pessoal.”

Tenho certeza de que a próxima etapa do plano ‘São Paulo na Copa’, será uma campanha pela televisão, a começar dentro de pouco tempo, destinada a encher de brio os paulistas. Seremos convidados a exibir a bandeira das treze listas nos terraços e janelas e a nos erguermos em defesa de nossa cidade ameaçada, e da necessidade de termos a Copa aqui. Custe o que custar, afinal trata-se de nossa honra! Comerciais e mais comerciais reacenderão a chama sagrada do patriotismo da nossa terra, com tamanha frequência em nossas TVs que fariam corar o inesquecível dr. Goebbels. A população, então, com o ardor cívico elevado até os níveis adequados vai aprovar com entusiasmo a construção de qualquer ‘arena’ que nos redima, mesmo que com dinheiro púbico. Pois todos sabemos que a possibilidade de haver recursos públicos nessa empreitada é quase de cem por cento.

Vi jogos no estádio do Morumbi ao longo dos anos com 105.000, 90.000 e mais de 80.000 espectadores. Nunca me senti inseguro, nunca tive problemas, jamais me senti minimamente desconfortável. Mas o Morumbi não cumpre as “exigências da Fifa”, o que significa que é um entrave à construção de novos e inúteis estádios. Por isso o Morumbi não serve. Num certo sentido até concordo. Para ver Gana e Austrália, por exemplo, bem como outros jogos que estamos assistindo nesta Copa da África, a rua Javari estaria de ótimo tamanho, caso naturalmente não houvesse qualquer jogo do Juventus, que nesse caso seria certamente melhor.”